OK We use cookies to enhance your visit to our site and to bring you advertisements that might interest you. Read our Privacy and Cookies policies to find out more.

News Brazil

Prova de marca de mordida do julgamento do Arizona v. Krone: Em 1992, Ray Krone foi injustamente condenado por homicídio e sentenciado à morte. Indícios de marca de mordida sugeriram o alinhamento de um elenco de dentição do Krone com feridas de mordida na carne da vítima. Uma investigação odontológica forense atestou que Krone era o mordedor. Em 2002, ele foi exonerado pela análise de DNA. (Foto: E. Thomas Barham (Los Alamitos, CA) e Alan Simpson (Phoenix, AZ), advogados de Krone)
0 Comments Jan 3, 2017 | News Brazil

Os pesquisadores argumentam que é tempo de parar de usar as marcas de mordida em medicina forense

Post a comment by Dental Tribune International

PHOENIX, EUA: Na medicina forense, identificação da marca de mordida é um método comum usado para identificar os infratores que causaram feridas de mordidas na vítima. No entanto, os pesquisadores estão cada vez mais céticos sobre a validade da identificação de marca de mordida como julgamento de prova. Um novo estudo realizado por cientistas americanos revisa agora a pesquisa existente sobre identificação de marca de mordida. De acordo com o papel, não há investigação suficiente nem suficiente evidência empírica em estudos existentes a fim de verificar a eficácia deste método forense.

"A avaliação baseada em evidências de técnicas forenses só recentemente foi reconhecida como essencial para a estabelecer alegações científicas – um século mais tarde do que deveria", disse o autor Dr. Michael Saks, professor de Psicologia de Direito na Universidade Estadual do Arizona. "E identificação de marca de mordida se tornou um foco central de preocupação".

Dentistas forenses afirmam que eles podem associar uma marca de mordida com precisão para um único e exclusivo conjunto de dentes que poderia ter produzido a marca da mordida na cena do crime. No entanto, não há evidencias apoiando esta alegação, os autores afirmaram. Marcas de mordida de cena de crime contêm apenas informações dentárias limitadas, como sempre; apenas partes da dentição são visíveis na marca. Além disso, informações dentárias disponíveis muitas vezes, não estão claras ou precisas como a 'média de gravação" que é a pele e carne da vítima, que é elástica e sujeita a distorções no momento, e depois, de receber a mordida.

Um número de exonerações pelo DNA têm ocorrido nos últimos anos para pessoas condenadas com base em identificações falsas de marca de mordida, os pesquisadores salientaram. Vários estudos vem investigando condenações errôneas têm encontrado as Ciências Forenses como segunda apenas para erros da testemunha ocular como uma fonte de provas falsas ou enganosas contribuindo para convicções errôneas. De acordo com os cientistas, taxas de erro por dentistas forenses estão entre as mais altas de qualquer especialidade de identificação forense que ainda é praticada.

O American Board of Forensic Odontology conduziu um estudo de confiabilidade dos julgamentos dos peritos, dentistas forenses certificados pelo quadro. Os pesquisadores selecionaram 100 fotografias de suspeita de lesões de marca de mordida a partir de casos reais e pediram 38 dentistas forenses para examinar as fotografias e rever as lesões. Posteriormente, os dentistas forenses tiveram que responder a três perguntas: há elementos de prova suficientes nos materiais para determinar se a lesão é uma marca de mordida humana? É uma marca de mordida humana, ou não uma marca de mordida humana, ou é sugestiva de uma marca de mordida humana? A marca de mordida é distinta, arcos identificáveis e marcas de dentes individuais? Para apenas 14 dos 100 casos, pelo menos 80 por cento dos examinadores deram as mesmas respostas para as três perguntas.

"As reivindicações de odontologia legal durante décadas ultrapassaram o teste empírico de tais alegações. Em vez de confirmarem as alegações de campo, pesquisas recentes, como descrito no presente artigo, confirmaram que a identificação das bases das marcas de mordidas é infundada," os pesquisadores concluíram. Eles aconselharam os juízes a examinarem as evidências forenses mais cuidadosamente e estimularam a comunidade científica a estender a investigação sobre as técnicas forenses, incluindo identificação de marca de mordida.

O estudo intitulado "Identificação forense de marca de mordida: bases fracas, alegações exageradas", foi publicada online em 16 de novembro no Journal of Law and the Biosciences.
 

Related Content
Post a comment Print  |  Send to a friend
0 Comments
Join the Discussion
All comments are subject to approval before appearing. Submit Comment