OK We use cookies to enhance your visit to our site and to bring you advertisements that might interest you. Read our Privacy and Cookies policies to find out more.

News Brazil

Um novo estudo piloto sugeriu que a fumaça do cigarro e a enzimas salivares em fumantes pesados podem influenciar a forma como químicas inibidoras de câncer encontrada em morangos são metabolizadas. (Foto: Ievgenii Meyer/Shutterstock)
0 Comments May 11, 2017 | News Brazil

Nova pesquisa explora efeito de morangos na terapia de câncer oral

Post a comment by Dental Tribune International

COLUMBUS, Ohio, EUA: Como estudos laboratoriais anteriores têm sugerido que a administração de dieta de morangos inteiros tem grande potencial como uma estratégia para a prevenção de câncer esofágico e oral, pesquisadores da Universidade do Estado de Ohio definiram para analisar como a química da fruta inibidora do câncer afeta o microambiente oral em fumantes pesados. Os resultados iniciais recentemente apresentados revelaram algumas intrigantes diferenças entre fumantes e não fumantes.

"Quando as pessoas comem morangos, elas mastigam e deglutem a fruta rapidamente. Queríamos desenvolver um método de aumento da exposição na boca para os benefícios fitoquímicos que têm sido relacionados com a prevenção de câncer bucal e procuram diferenças potenciais na maneira que as enzimas salivares em fumantes versus não fumantes metaboliza-os", explicou o líder do estudo Dra. Jennifer Ahn-Jarvis, uma estudante de Pós-Doutorado no Ohio State College of Dentistry.

Nesta abordagem, Ahn-Jarvis e sua equipe desenharam um ensaio clínico piloto para analisar os efeitos de uma bala de morango especialmente desenvolvida com a equivalência nutricional de duas xícaras e meia de morangos inteiros em um grupo de fumantes pesados comparados com um grupo controle de indivíduos que nunca tinham fumado. Para estabelecer as diferenças na atividade da enzima salivar que afetam componentes fitoquímicos de morangos entre os dois grupos, os participantes foram convidados a consumir o bombom de morango ou placebo quatro vezes por dia por uma semana e seguir uma dieta ausente de outras frutas e legumes vermelhos e roxos.

A equipe então coletou saliva e amostras de tecido oral. A partir daí, eles observaram diferenças significativas entre fumantes e não fumantes na atividade da enzima salivar e metabolitos de morango na boca após a administração do confeito de morango. Além disso, os pesquisadores investigaram a expressão de um grupo selecionado de 44 genes associados com a fumaça do cigarro e o risco de câncer oral e foram capazes de validar sete genes independentemente associados com fumantes versus não fumantes.
"Estes dados iniciais confirmaram que algo é muito diferente sobre o ambiente oral de fumantes, o que pode vir a influenciar não só o risco de câncer mas também a eficácia potencial de alimentos-baseados nas estratégias de prevenção de câncer", concluiu Ahn-Jarvis. "Desenvolvimento bem sucedido e a utilização de nosso novo confeito prepara o caminho para a sua utilização num maior estudo, o que nos permitirá avaliar com mais precisão os efeitos do tabagismo e morangos à terminação molecular relacionado ao desenvolvimento de câncer oral".

A análise adicional de dados para o estudo está em andamento para determinar se existe uma correlação entre o tempo de exposição oral de antocianinas e redução de risco de câncer oral entre os fumantes. Estão também em curso estudos para identificar genes modulados de morango na cavidade oral dos fumantes que podem influenciar o desenvolvimento de câncer oral.

Os primeiros resultados do estudo foram apresentados na reunião anual da Associação Americana para Pesquisa do Câncer, realizada de 1 a 5 de abril em Washington.

Post a comment Print  |  Send to a friend
0 Comments
Join the Discussion
All comments are subject to approval before appearing. Submit Comment